Saturday, March 29, 2008

Viagem à Dublin: Casamento Registrado + Visto + U23D + Crime de Distração

Pete no Eddie Rocket usando o óculos 3D do filme U23D.

Eu no Eddie Rockets usando o óculos 3D.

M. na sua sala
O que refere-se à visto está em negrito.

Madrugamos e partirmos às 7h30, na quinta-feira. Depois de 3 horas de viagem chegamos no centro de Dublin, onde também fica o Hotel Arlington. Deixamos a nossa mala e seguimos para a Embaixada. Lá eles me entregaram 3 folhas para eu ler e verificar a existência de erros. Colocaram a nacionalidade do Pete como sendo galesa, mas legalmente ela não existe. Quem nasce na Irlanda do Norte, Escócia, País de Gales ou Inglaterra é britânico. Então, corrigi isso e outros errinhos. O funcionário da Embaixada então foi conversar com o Pete, perguntar seu lugar de nascimento e insistiu que ele era galês, não britânico.

O Pete não ficou nada satisfeito com isso e achou que o Paulo estava dizendo que ele não sabia a sua própria nacionalidade. Fiquei numa saia justa. O Paulo mudou a nacionalidade do Pete e dos pais dele para britânica no final das contas. Assinamos os papéis e entreguei o comprovante de 5 Euros para receber uma cópia autenticada da Certidão Consular de Casamento, que peguei no dia seguinte.

Em seguida fomos falar com a M., do outro lado da embaixada. Ela não mudou nada! Pareceu até mais jovem que 4 anos e 3 meses atrás.

Saímos para almoçar no mesmo restaurante indiano que comemos anos atrás. Por 12,80 cada um comeu entrada, prato principal e sobremesa. Uma delícia! O Pete falou sobre a peregrinação que fez no Caminho de Santiago de Compostela após ler o livro do Paulo Coelho. Foi um almoço muito agradável. Depois seguimos para o hotel para descansarmos. 

Após o descanso seguimos para o cinema na Rua Parnell, que fica a 15 min. do hotel. Saboreamos um Ben & Jerry, um sorvete americano que infelizmente não vendem no Brasil e que na nossa opinião supera o da Haagen-Dazs, antes do filme começar. 

Desejei muito que o Pete curtisse o U23D, pois senão seria chato demais para ele. A nota dele foi 8 de 1 a 10 - melhor do que esperava. Achei que ele daria 7, no máximo. Todo mundo ficou quieto durante o filme/show. Achei curioso.

Eu cantei com o Bono e, assim como show em SP em 2006, derramei algumas lágrimas quando ele cantou Miss Sarajevo (em italiano). A música que dá para perceber que foi filmada no Brasil - e não na Argentina, como a maioria das colocadas no filme - é justamente a que mostra a Fernanda segurando a bandeira do Brasil. Graças a ela, que dormiu na fila para o segundo show, a Cris e eu ficamos em frente ao palco.

Terminamos a noite no Eddie Rockets. Como já era tarde não pedi hamburger, pois são gigantes, fiquei com uma ceaser salad apenas. Quando saímos de lá vimos 4 rapazes vestidos com fantasias dos personagens do Mágico de Oz. Foi engraçado.

Na sexta acordamos cedo novamente para ir à Imigração. Chegando lá fui direto para a pequena fila, mas o Pete entrou e perguntou se precisávamos enfrentá-la. Isso não era necessário. Fomos atendidos de imediato e depois esperamos uns 20 min. para o cartão de registro ficar pronto.

Ambos o cartão e o carimbo/visto no passaporte expiram na mesma data do passaporte atual. Quando eu receber o novo, daqui 2 semanas, nós vamos à Imigração para eles colocarem o visto de 1 ano e substituir o cartão com a mesma data. 

Encerramos a estadia em Dublin tomando café perto da Grafton Street.

No noticiário de ontem à noite informaram que a polícia prendeu uma quadrilha com 40 romenos que tem cometido o que chamaram de "crime de distração". Eles cutucam a vítima do lado direito e levam a bolsa deixada à esquerda, por exemplo, ou furtam a carteira de quem está parado olhando as vitrines ou levam o dinheiro de quem acabou de sacar (nas máquinas nas ruas). A pessoa entrevistada disse que o número desse tipo de crime na Irlanda não é maior que nas outras grandes cidades européias, com um certo ar de irritação.

A calçada da Rua O'Connell foi alongada. Agora há ainda mais espaço para os pedestres. Ainda colocaram uma tela vertical na altura da agência central do Correio com um homem andando sem parar, como o que aparece durante a música Sometimes You Can't Make It On Your Own, no filme U23D.

Ainda percebi que há lojas novas da Rua Grafton, que parece ter recebido uma mão de tinta. Ouvi gente falando Português 5 vezes.

Wednesday, March 26, 2008

Irlanda barra e prende alunos brasileiros

Em lugar de uma semana de férias, 48 horas em uma cadeia irlandesa. Essa foi a experiência vivida por três universitários brasileiros com planos de aproveitar a pausa nos cursos de intercâmbio --que freqüentam na Espanha e em Portugal desde o início do ano-- para conhecer um outro país.

Barrados ao desembarcar em Dublin na última quinta-feira, procedentes da cidade do Porto (Portugal), os baianos André São Pedro, 22, estudante de farmácia na UFBA, e Maria Dias, 24, que cursa medicina também na UFBA, e a paulista Thaís Tibiriçá, 24, aluna de jornalismo na UFF, foram mantidos em prisões comuns, no fim de inverno irlandês, até o sábado, à espera de um vôo que os levasse de volta a Portugal.

Nessas 48 horas, relatam os jovens, se despiram para a revista na cadeia, tiveram acesso limitado a telefonemas e ficaram em contato com criminosos. "Nós fomos expostos a bandidos, assassinos, ladrões. Se um deles puxa uma faca e me mata, o que aconteceria?", questiona André São Pedro.

O motivo alegado para o veto é semelhante ao apresentado aos brasileiros recentemente barrados na Espanha: dinheiro insuficiente para passar no país os sete dias planejados. Essa explicação consta dos documentos entregues pela imigração irlandesa aos três jovens.

Os estudantes afirmam que cada um carregava, em média, 350, além de cartões de crédito com saldo superior a 3.000. Eles relatam que, após quatro horas trancados no aeroporto, foram encaminhados, de camburão, para a prisão. "Para mim foi preconceito. O André é negro e a Maria é mais morena", diz Thaís.

A embaixada brasileira em Dublin e a Garda Siochána (a polícia nacional irlandesa) confirmam que os estudantes foram mantidos em cadeias comuns. O Itamaraty relatou ontem já ter recebido queixas sobre o tratamento dispensado pela imigração irlandesa --há 20 dias, outra estudante, de 18 anos, residente na Itália, passou dez horas na prisão.

"Há uma tendência cada vez maior de rigor na entrada de imigrantes", disse Elza de Castro, responsável pelo setor consular da Embaixada do Brasil em Dublin. Segundo ela, por coincidência, na mesma quinta houve uma reunião entre a embaixada e autoridades irlandesas para "externar a preocupação com o tratamento dado a brasileiros".

O Itamaraty determinou ontem à embaixada que faça uma investigação detalhada sobre o caso. O órgão, via assessoria de imprensa, classificou o procedimento adotado pela imigração irlandesa de "inadequado" e a situação enfrentada pelos estudantes de "inaceitável".

Segundo a embaixada brasileira, 115 brasileiros foram expulsos da Irlanda no ano passado. Neste ano, até agora, com os três estudantes, já são 57.

Outro lado

Responsável pela ponte entre as embaixadas e o serviço de imigração irlandês, Tom Fallon, oficial da polícia nacional do país, a Garda Siochána, se recusou a entrar em detalhes sobre a prisão e expulsão dos três estudantes brasileiros.

Sobre o envio do grupo a prisões, disse apenas que a Irlanda "possui regras relativas à imigração" e disse que o mínimo de dinheiro para entrar no país depende de vários fatores.

Fallon afirmou também que "o serviço de imigração irlandês é um serviço policial". Ele ressaltou que o setor de imigração da polícia irlandesa "sempre teve uma boa relação com a embaixada brasileira e vai continuar assim". Ontem, Fallon finalizava um relatório sobre o caso, que seria enviado às autoridades brasileiras. O oficial disse que, desde janeiro, cerca de 3.500 brasileiros entraram legalmente no país.

Ele recomendou que a Folha procurasse o comitê de imprensa da polícia nacional. Por e-mail, o comitê disse que só apuraria o caso a partir de hoje. BRENO COSTA - Colaboração para a Folha de S.Paulo

Tuesday, March 25, 2008

Transcrição do registro de casamento

Ingressos online
Pesquisando o site da Embaixada do Brasil em Dublin confirmei que teremos que mandar o certificado de casamento emitido pelo Setor Consular para o Cartório de Primeiro Ofício de Registro Civil e Casamento, para transcrição do registro de casamento. 

Já liguei no cartório em Brasília e transferi os R$ 70 requeridos para tanto. O Sr. Carlos disse que eles levarão entre 15 a 20 dias para fazer a transcrição (uma vez recebido o certificado de casamento, é claro - vou enviá-lo de Dublin nesta sexta).

Assim, constato que o meu novo passaporte com o nome de casada só poderá ser emitido depois disso. O Pete acha que devemos ir à Imigração com o passaporte atual mesmo e depois voltarmos lá com o novo quando ele estiver pronto, ou seja, que não devemos esperar todo esse tempo. Concordei com ele, pois eles devem me dar um cartão, como fizeram quando me deram o visto de estudante em 2003.

Para compensar o stress com essa burocracia danada vamos pegar um cineminha bastante especial na quinta e, finalmente, assistir o filme em terceira dimensão do U2, chamado U23D. A figura acima é a reserva dos ingressos.
Enquanto esperava a paciente que assisti esta manhã ser atendida, recebi uma ligação do Setor Consular da Embaixada do Brasil em Dublin. Não poderei pegar meu novo passaporte no mesmo dia que assinarmos o livro de registro de casamento. Eu terei que voltar depois para isso. É que o casamento tem que ser registrado no Brasil primeiro (e o nome ser alterado antes de ser inserido no passaporte).

Monday, March 24, 2008

Domingo de Páscoa


Pete - Harry (cabelos longos) - Mary - Greg - Martin (ausente ontem) - Tom (meu padrinho de casamento e ausente ontem) - Colin (ausente ontem). Eu sempre sento à direita do Pete. Peguei essa foto na internet. Algum turista a colocou em seu site/blog.


Assim como na noite anterior à St. Patrick's Day, o pub estava lotado! Resolvi variar e bebi Bulmers Cider (cidra) ao invés da cerveja Carlsberg com gotas de limão-galego. A Mary, que toca sanfona nesse pub às quintas e domingos com o marido e outros músicos, incluíndo o Pete, às vezes, me avisou que a bebida é forte, então fiquei só com uma garrafa de 750 ml a noite inteira.

Internet aproxima amigos e familiares


Falei há pouco com o Randolpho no MSN. Esta foi a primeira vez. Não digo apenas aqui na Irlanda. Nunca havia falado com ele pelo computador nem no Brasil!

Por conta da internet, inclusive a ex-secretária do lar, em Brasília, mandou um pedido pelo Orkut da filha. Ela queria 3.000 Reais para montar uma loja de roupas. As pessoas têm essa falsa idéia de que quem vem para a Europa fica rico e que isso acontece do dia para a noite. Respondi por sms para o celular dela dizendo que não poderia ajudá-la. Felizmente, a mãe da F. precisa de uma pessoa para trabalhar em sua casa e entrará em contato com ela. Só posso ajudá-la indicando ela para as pessoas.

Assim, a distância não desapromixou a família e os amigos. Muito pelo contrário, hoje até tenho contato com pessoas que não tinha antes. Há um provérbio em Inglês que diz
Distance makes the heart grow fonder, ou seja, a distância faz com que a afeição aumente.

Sunday, March 23, 2008

Páscoa com gosto de laranja + Amigo rendido


Aqui os ovos de Páscoa vêm dentro de uma caixa como se fosse um brinquedo. Compramos os nossos na sexta. O meu chama-se Terry's Chocolate Orange. O do Pete é Toblerone. O meu vem com um ovo de chocolate e uma laranja (foto). O dele vem igualmente com um ovo mais uns 3 toblerones.

Quando era criança eu detestava chocolate com sabor de fruta, mas a gente cresce e muda.

A Gina (prima) me deu esse chocolate quando foi visitar a família no Brasil há mais de 4 anos. Nunca esqueci do gosto. Ele não tem fruta dentro, o sabor de laranja está no chocolate mesmo.

Eu comi a laranja ontem enquanto assistia o último filme do River Phoenix, My Own Private Idaho. Um amigo do Pete, nos emprestou. Quando ele esteve aqui da última vez eu disse a ele que nunca tinha visto.

Esse amigo do Pete foi o único a se opor contra o nosso relacionamento. Ele achava que tudo o que eu queria era o "green card" para trabalhar aqui e fugir da pobreza. O Pete contou a ele como era a minha vida no Brasil, mas ele continuou cético.

Ele me conheceu perto do Natal e passou St. Stephen's Day, o feriado após o dia do Natal, conosco. O Pete fez um baita almoço e inclusive uma lasagna vegetariana para ele. Ele ainda esteve aqui mais uma vez antes de voltar para Londres (ele é meio inglês meio irlandês, mas tem sotaque inglês, o que lhe rendeu muita perseguição enquanto criança aqui na Irlanda).

A mãe dele vai passar por uma cirurgia e ele decidiu morar aqui durante o verão. Ele esteve aqui em casa pelo menos umas 4 vezes nas últimas 2 semanas. Da penúltima vez que esteve aqui o Pete não parou o jogo de Civ no pc (um jogo que ele joga online com 2 amigos na Inglaterra). Então, acabou que eu fiz sala para ele.

Como o jantar era um prato indiano com carne (e curry) e acho uma tortura ver os outros comer eu resolvi colocar umas fatias de peixe no forno e servi-lo com arroz e vagem. Acontece que ele não estava legal (o Pete só me contou depois - coisas do coração), então ele não comeu. Acho que foi por isso que ele trouxe o vídeo.

Ontem fiquei no quarto vendo tv para deixar os dois à vontade, pois sempre acabo conversando mais com ele do que o Pete. Depois perguntei se o amigo dele estava bem e ele respondeu que ele não conversou muito. Pode? O Pete disse que ele conversa mais quando estou presente e que ele gosta de conversar comigo. Como diz a Dani: Então tá bom!

Ontem à noite temperei alguns rib steaks (sem osso) e servirei hoje com batata assada e queijo derretido em cima.

Thursday, March 20, 2008

Ontem o Vice-Consul da Embaixada do Brasil em Dublin respondeu o meu email perguntando o prazo para emissão de novo passaporte. Infelizmente eles levam 5 dias. 

Como a Embaixada estará fechada amanhã e segunda eles provavelmente só receberão a documentação na terça ou quarta. Agora o previsto é dia 2 de abril. Daí pegamos o novo passaporte nesse dia (e assinamos o livro do registro de casamento) e no dia seguinte vamos à Imigração para ter o Stamp 4 inserido no passaporte.

Paguei 15 Euros por quarto fotos 5X7. Achei um absurdo. A taxa do passaporte é 30 Euros. É menos do que cobram no Brasil. A vantagem de ter passaporte feito no exterior é que eles não exigem a data na foto. Acho que o Brasil é o único que obriga a gente ficar parecendo criminoso na foto do passaporte. Ainda não vi o modelo do novo passaporte ao vivo e espero que o meu siga o novo modelo.

Ontem bati um longo papo com a tia Aparecida. Parabéns para a priminha Giulia. Ela faz 2 meses hoje!

Wednesday, March 19, 2008

Histórico do Visto + Registro do Casamento + Novo Passaporte

Quando o Pete pediu ajuda ao Michael D. Higgins, um politico local, para nos ajudar com o meu cartão de residência, ele se prontificou a nos auxiliar e a falar com o Ministro de Justiça para interceder em nosso favor. 

Depois de falar com o Ministro ele nos disse que a resposta tinha sido que o ministério levaria 6 meses para decidir, ou seja, teríamos que aguardar até maio, pois fizemos o pedido em novembro.

Tivemos que fazer um plano de saúde para mim, pois era uma condição para eles processarem o meu pedido. Contudo, quando o Pete foi renovar o seu cartão médico, que é fornecido pelo governo, e informou que ele tinha se casado eles acabaram me dando um também. A situação ficou engraçada, pois o cartão dá a entender que estou aqui legamente. Contudo, eu não tinha o cartão de residência (visto) ainda.

Assim, fiquei surpresa ao receber a carta do Ministério de Justiça com 2 meses de antecedência, nesta terça, um dia depois do Dia de São Patrício. Parece que ele resolveu me dar uma forcinha… 

Agora temos que ir até a Imigração para eles colocarem o visto no meu passaporte. Como o meu atual vai expirar em 6 meses, vou pedir outro passaporte logo para que eles coloquem o visto no novo passaporte. 

Mandamos os papéis para registrar o nosso casamento para a Embaixada do Brasil há uns 2 meses. 

Tínhamos planejado ir à embaixada nesta segunda, mas esquecemos que seria Dia de São Patrício e que ela estaria fechada. Vamos na semana que vem e aproveitar para assistir o filme U2 3D.

Friday, March 14, 2008

Como ter um ataque cardíaco

O paciente que assisti hoje ensina: coma muita carne com gordura, salsichas, queijo e maionese, seja sedentário e depois resolva usar o crosstrainer ou esteira no máximo, elevando o seu batimento cardíaco além do ideal para a sua faixa etária. Se o seu é 172. Eleve para 240 batimentos por minutos da próxima vez. Não dê importância para a dor no peito que você começou a sentir após o começo desses exercicíos! Basta isso!

Depois você se prepara para ter um catéter inserido no seu coração e para conversar com fisioterapeuta, cardiologista, enfermeira para reabilitação cardíaca e tomar 5 remédios: para o coração, pressão e colesterol. Isso sem falar num programa de recuperação cardíaca de 8 semanas, em que você tem que ir ao hospital 2 vezes por semana e, é claro, fazer exercícios, mas, desta vez, moderadamente.

Papo sério:
O peito não é o único lugar em que a dor que anuncia o ataque cardíaco. Ela pode se manifestar tanto nos braços quanto nas costas, mas geralmente ocorre da altura do peito até o queixo. Os sintomas são: dor central apertando o peito, suor, náusea e/ou vômito, tontura, pés e mãos frios e húmidos e palpitação.

Eddie Rockets

Eddie Rockets é o nome deste diner estilo americano anos 50 onde comemos esse hamburger, na quarta. Há um juke-box em casa mesa. Gina, Francesco e eu, às vezes, comiamos nele em Dublin. Era o nosso favorito. A dobridinha era club sandwich e brownie! Esta foi a primeira vez que experimentei o hamburger deles. Parece bem menos artificial que o do Mac Donald's. Nesse o Pete nao entra nem a força. Foi ele que sugeriu Eddie Rocket's! Fiquei surpresa. Ela está comendo um Cheeze Please, na foto.

A&E



A&E significa "Acidente & Emergência". Eles não chamam de ER como nos EUA. Muitos pacientes passam a noite nas macas mesmo. Nos outros departamentos não ha macas nos corredores. A maioria dos brasileiros que acompanhei ficam em quartos grandes, com 4 a 12 camas separadas por cortinas. Contudo, já vi uma paciente com pedra nos rins, outra com pedra no pâncreas e algumas grávidas em quartos individuais. (Tirei esta foto em dezembro - Repare os enfeites prateados).

Thursday, March 13, 2008

Chuva de granizo


Todo mundo já viu chuva de granizo uma vez na vida, não é mesmo? Alguns só ouviram, pois estavam em casa. Agora pergunto: Você já pegou chuva de granizo com vento? Espero que não!

A única parte do meu corpo descoberta, além do rosto (que protegi com o capuz da capa de chuva) eram as mãos. O Pete estava sem gorro e saiu correndo assim que a chuva de granizo começou.

Logo ele mudou de idéia, parou e me esperou, mas eu pedi para ele seguir adiante, pois eu tinha gorro e estávamos a cerca de 150m de casa, mas ele não me deu ouvidos. Felizmente nenhum granizo bateu em nossos olhos, só nas mãos. No caso do Pete, no rosto e na cabeça.

Felizmente as pedrinhas de gelo eram pequenas: do tamanho de ervilhas, e não do tamanho de uma laranja, como ocorreu no sul do Brasil no ano passado. Mesmo sim elas "picaram" minhas mãos. Hoje teve outra chuva desse tipo, mas eu estava em casa. Não me importo com o frio e o vento, mas chuva de granizo não é nada legal se você está no meio dela!

Tuesday, March 11, 2008

Arco-Íris

Arco-Íris em Galway
Apesar dos últimos dias terem sido especialmente chuvosos com forte ventania - hoje o vento chegou a me empurrar! - o céu foi decorado por este bonitinho arco-iris. O vi do lado de fora da delegacia, enquanto esperava o segundo interrogatório começar. Pensei que seria legal se tivesse com a minha câmera comigo naquele momento. Eu esqueci a câmera, mas a N. James não. Reza a lenda irlandesa que os duendes, ou leprechauns, escondem seu ouro no final do arco-íris. Sabidos, não?

Quitutes Brasileiros e Refeição Mexicana

O Pete experimentou mais produtos que comprei na loja Real Brazil, em Gort: doce de leite com côco e curau de milho. O primeiro ele gostou bastante e eu também. O segundo ele não comeu muito. O feito com milho de verdade é bem melhor do que esse de saquinho, mas que não tem cão caça com gato.

Andava cansada de comer os meus pratos e resolvi ousar. Peguei uma receita mexicana de feijão preto com queijo na internet e fiz ontem. E a apresentação do prato ficou melhor do que a desta foto que peguei na internet, pois coloquei o Doritos em pratos pretos e o feijão preto com queijo numa vasilha igualmente preta ao centro. Servi com salada de alface, tomate e abacate, que algo que o Pete já fez algumas vezes. Ele disse que a refeição foi superba. Modéstia à parte, eu concordo. Ficou profissional!

Thursday, March 06, 2008

Retorno a Gort e Experiência Surreal

Trabalho: Hoje estive em Gort novamente, o vilarejo a 45 min. de Galway onde ¼ da população - cerca de 700 pessoas - é composta por brasileiros, para intermediar outro encontro entre assistente social e mãe brasileira de recém-nascido. A paciência das assistentes sociais é algo fenomenal. A de hoje preencheu 2 formúlarios para a moça conseguir benefício para o filho e cartão médico para ambos. 

Durou 1h30. Como passei pela famosa Real Brazil, a loja com produtos brasileiros, eu não resisti . Comprei: biscoito de polvilho, guaraná, doce de leite, biscoito Bono floresta negra, pacotinho com pó para fazer maria mole de morango e côco, pacotinho com pó para fazer curau de milho, farofa de mandioca, pacotinho com pó para fazer pão de queijo, Bis, goiabada e até um pacote de pipoca de microondas e chá de boldo! A loja é um paraíso para quem está fora do Brasil.

Experiência surreal: Tudo teria sido perfeito em Gort, se não fosse a minha companhia na volta para Galway. O senhor na primeira poltrona viu que eu ía sentar atrás dele e pediu para eu sentar ao seu lado para conversarmos.

Vocês não imaginam as atrocidades que ele falou sobre as mulheres brasileiras. Resumindo, ele disse que as brasileiras que moram em Gort fazem programa à noite enquanto seus maridos ficam sentados no sofá em casa. 

Ele disse 3 vezes que é um politico local, mas ele não tem porte para isso. Depois que liguei para o Pete avisando que estava chegando, esse homem disse que era um absurdo o Pete não vir ao meu encontro.

Eu disse "Nós não nos vemos há apenas 3 horas"*.Então, ele disse que eu não deveria ter relações com ele esta noite, que eu não devo deixar ninguém tirar proveito de mim e que o Pete tem me pagar todas as vezes que tivermos relações. Eu disse “Ele é meu marido” para não dizer coisa muito pior para aquele homem. Ele ainda disse que se fosse solteira ele se casaria comigo amanhã de manhã. Como seu eu quizesse, né!

Ah! "Eejit" é a gíria para "idiota" na Irlanda. Achei que viria a calhar.

Avaliação na academia e programa de exercícios

Na terça eu passei pela avaliação na academia. O instrutor muito educamente perguntou o que me levou até lá. Eu disse “Quero perder a gordura na parte interna das coxas, me livrar da gordura do braço (a do “tchauzinho”) e diminuir a barriga". Ele sorriu. Ele não esperava que eu fosse ser tão específica.

Ele me colocou na esteira por 5 min. a 6 km/h com inclinação. Aguentei até o fim. Eu estava usando a cinta para medir os batimentos cardíacos. No final ele disse que o resultado foi “average”, ou seja, estou na média! Eu fiquei muito feliz e disse isso para ele. Estar na média com o meu sobrepeso e considerando que não frequentei academia por 2 anos e que fumo ser “average” é bom demais. Depois ele me acompanhou em todos os aparelhos. Alguns são novos para mim.

Eu basicamente terei que usar a bicicleta (entre 7 e 8 km/h) ou o crossroads (entre 6 a 7 km/h)(foto) por 25 min e depois fazer musculação, que foi dividida em 3 grupos, além de exercícios localizados. Ele disse para eu não malhar mais de 5 vezes por semana. A próxima avaliação é dia 15 de abril. Ontem comecei a seguir o programa e nos primeiros 14 min. no crossroads achei que não fosse conseguir completar os 25 min, mas daí em diante o corpo parece continuar automaticamente. Sobrevivi e percebo que nessa quase 1 semana de academia minha "barriguinha" já diminui e ando mais confortavelmente na rua.

Durante a avaliação ele disse que achava que eu tinha vinte e poucos anos e que se ele trabalhasse num bar pediria a minha identidade. Na hora de colocar a cinta ele saiu da sala. Assim, a avaliação não foi sofrida como a que tive no Brasil.

Sunday, March 02, 2008

Trombose x Auto-Medicação


Ontem, sábado, fui chamada ao hospital. Quando me disseram o nome do paciente lembrei que estive com ele há uns 2 meses. A última vez ele estava com problemas respiratórios, o que ele nunca tinha sofrido quando morava no Brasil. Já ontem ele estava com o pé e tornozelos esquerdos inchados. Ele disse que isso já tinha acontecido no Brasil e que ele tomou antibióticos, pois achava que tinha artrose e ouvido dizer que antibiótico era bom para quem tem artrose. Ele não mencionou que teve inchaço da perna e pé quando esteve no hospital a primeira vez.

Desta vez, tendo todo o histórico dele, os médicos chegaram a conclusão que ele pode ter um coágulo na perna (trombose) que migrou para o pulmão (o que é comum nos casos de coágulo não tratados). Antes acharam que ele tinha asma e prescreveram inaladores para ele.

A auto-medicação, infelizmente, é muito comum no nosso país. Tudo indica que no caso desse paciente ela adiou a descoberta do seu problema de saúde, além de lhe custar vários dias de internação.

Esse paciente ficou muitíssimo preocupado, pois sempre associava a trombose com a amputação da perna, no Brasil. Os médicos disseram que isso não vai acontecer com ele, mas que ele não poderá tomar remédios vindos do Brasil (ou não prescritos) durante o tratamento, o que durará 6 meses. O seu objetivo é afinar o sangue. Enquanto isso ele deverá ficar deitado com a perna para cima o tempo todo. Só poderá ir ao banheiro para evacuar (terá que fazer xixi na garrafa no quarto). Então fica aqui o alerta àqueles que gostam de tomar remédios por conta própria.

Aproveito a oportunidade e deixo, abaixo, os cuidados para evitar a trombose (especialmente para aqueles que ficam sentados ou em pé por muito tempo dificultando o retorno do sangue ao coração ou aqueles que pretendem fazer viagens longas):

- realização de pequenas caminhadas rotineiramente a cada 2 horas;
- movimentação ativa dos pés e pernas durante o período em que permanecem sentados;
- utilização de roupas confortáveis e mais largas durante as viagens;
- beber bebidas alcoólicas com moderação;
- evitar o uso de comprimidos para dormir;
- evitar o fumo;
- utilização sob orientação e prescrição médica, de meias de compressão elástica, particularmente nas pessoas com insuficiência venosa e/ou varizes;
- em algumas circunstâncias, sob estrito controle e indicação médicas, pode ser necessária a utilização de substâncias anticoagulantes.

As pessoas com maior dificuldade de locomoção devem dar preferência às poltronas no corredor das aeronaves, ou mesmo dos ônibus, visando as caminhadas regulares, ou o deslocamento nas paradas rotineiras.

Dica final: Colocar as pernas para cima por 20 minutos todo os dias evita as varizes, então é uma boa incorporar isso na rotina (especialmente aqueles com histórico familiar de varizes).