Tuesday, September 01, 2015

Sonho após primeiro dia de aula da minha filha

Estou escrevendo este blog post para os meus amigos e parentes que tiverem interesse em lê-lo. 

Eu estava em uma cidade diferente, possivelmente de férias, quando de repente me dou conta que minha filha sumiu. Passo um bom tempo procurando por ela, sem sucesso, até que ela retorna. Fico a par que uma mulher a levou. Eu continuo transtornada sem saber como isso foi possível e sem saber a identidade da mulher. Não obstante o meu desespero minha filha demonstra a intenção de ir com aquela mulher novamente.

Em seguida me vejo em uma prisão. A prisão não é uma prisão convencional, é uma espécie de ex-hotel com quartos bagunçados e banheiros com privadas cheias e entupidas. Os carcereiros são os membros do U2. Embora apenas o Adam Clayton pode ser visto, sabemos que os outros estão por ali.

Adam fica responsável por cuidar de nós, todas mulheres. Como ele é "relax" eu consigo fugir para outra ala, onde a segurança é menor. Consigo utilizar o telefone em outro quarto e tento falar com a polícia. Todavia sou descoberta. A minha punição é ter as minhas pernas transformadas em bronze.

Uma mulher traz um canhão para disparar bronze nas minhas pernas e nas pernas de outras duas detentas que estão ao meu lado. Imagino que são Fernanda e Cris. A punição tem um efeito não esperado em mim. Eu começo a flutuar. Voo bem alto e consigo atravessar a cerca de proteçao.

Do outro lado da prisão há uma praia. Eu aterrizo no Rio de Janeiro e começo a andar sob um sol forte a procura do bairro onde minha prima Letícia mora. No caminho encontro Larissa e explico que tenho que ir até o Flamengo. Larissa anda comigo por um bom tempo, mas depois tem que me deixar.

Eu continuo andando em meio há várias pessoas seguindo seus caminhos até encontrar Viviane, que se dispõe a me ajudar. Ela me oferece carona e nós conversamos um pouco. O Flamengo ainda fica muito longe. Os familiares delas chegam e ela não pode mais me levar, então, tenho que continuar sozinha.

Tentei ser o mais suscinta o possível, mas tenho que adicionar que fiquei MUITO feliz quando encontrei cada amigade infância. Não as vejo há mais de 15 anos!